“The older I grow, the more I distrust the familiar doctrine that age brings wisdom.” - H.L. Mencken

18
Dez 17

1 - Recente vaga de catástrofes em Portugal faz disparar número de peritos, especialistas e técnicos em 3 áreas: fogos, aterragens e preços do bitoque. INE estuda o caso e pede ajuda à PwC para contabilização de resultados.

2 - SIRESP continua vivo mas com problemas respiratórios devido à inalação excessiva de fumo. Pede transferência para praias do Algarve onde o ar é mais limpinho. SNS avalia caso e pede conselhos a peritos.

3 - INE emite comunicado dirigido ao SNS a avisar que já chega de peritos. PwC assobia para o lado.

4 - Partidos da oposição dizem estar fartos de o destino de Portugal ser mais trágico do que o que eles próprios conseguiriam imaginar e pedem intervenção do Governo para que os deixem trabalhar.

5 - Agências de rating analisam caso Português para eventual actualização do rating do país - de Lixo recomendavam passagem para "Hahahahaha!" com hipótese de "Facepalm" mas especialistas avisam que tal seria injusto. "Menino da Lágrima" é recomendação mais ajustada.

6 - INE emite novo comunicado a afirmar que número de pessoas que não sabe nadar não aumentou e que apenas assim parece porque agora andam a atirar-se muito ao mar. IPMA emite comunicado dizendo que não tem nada a ver com isso. INE responde dizendo, e citamos: Claro que não têm. Vocês nunca acertam nas previsões mesmo. Podem sempre vir cá aprender alguma coisinha connosco. - fim de citação.
IPMA promete raios e corriscos para Portugal, apenas não diz onde ou quando. Governo cria comissão de inquérito para averiguar condições de colaboração entre os dois institutos.

E pronto. Seria assim.

publicado por Sónia às 10:39

1 - Marcelo desloca-se às redacções dos principais jornais de Portugal para dar abraços aos jornalistas que se sentem mal tratados pelo povo. Mas, como é um Presidente justo, manda a boca referente à mulher de César e pisca o olho com força.

2 - Responsáveis pelo SIRESP descobrem verdadeira razão de intermitências no seu funcionamento: estava em modo silencioso, sem opção de vibrar.

3 - Mulher que ateou fogo de Domingo passado e que se alastrou para Mação por raiva a quem a acusava de atear fogos confessa ter ateado mais fogos no passado*

4 - Início do campeonato ao virar da esquina - principais equipas candidatas ao título exigem auditorias para averiguar se as bolas são realmente redondas.

5 - Número de desempregados em Portugal num perfeito caos porque IEFP afirma que há diferença entre emprego e trabalho. Associações patronais afirmam não haver mal-empregados em Portugal. Povo discorda e pede abraços ao Marcelo.

E pronto. Aí têm.

*esta é verdadeira (a acreditar em artigo do Público, claro).

publicado por Sónia às 10:38

1 - Turistas estrangeiros queixam-se da quantidade de turistas Portugueses em Portugal afirmando que assim deixa de ter piada vir cá. Oferecem programas de troca de casa para os deixarmos em paz. Portugueses recusam e reclamam ainda mais com os preços e tratamento que levam dos operadores turísticos. Estrangeiros levantam os braços e gritam "See? We give up! Idiots!"

2 - TAP reage a reclamação inflamada de passageiro que diz ser uma vergonha (etc) que só tenha recebido um palmier num voo (atrasado) entre Madrid e Lisboa sugerindo que passageiro pode ser sempre levar marmita. Defende-se mais ainda dizendo que aquilo não são atrasos mas sim "períodos de espera para ganhar fome se não nem a porra do palmier estes idiotas comem".

3 - Sardinhas da costa Portuguesa afirmam que sugestão de proibição de pesca durante 15 anos é manha para as levar a emigrar para Espanha. Reclamam que nuestros hermanos nem as sabem assar ou enlatar, o que as despromove de ser adorado e amado para algo tipo comida de gato. Governo Espanhol já avisou que não quer os restos de Portugal e que se quiserem sardinha Portuguesa, que a vêm cá pescar como sempre fizeram.

4 - Eucaliptos queimados e feridos pelos fogos sugerem que podem ser eles os alvos da proibição de "pesca" durante 15 anos e que ida para Espanha não está fora de questão. Pedem apoio do Governo para criação de rota segura.

5 - Comentador faz mais comentários fazendo com que mais não-comentadores também os façam. "Comenta-se tudo!", reclama reformada que diz ter começado a guardar os seu dinheiro em saco colado ao corpo. Diz não recear os alvos dos comentários do comentador mas sim o comentador em si. "Já viu aquele bronze? Aqueles fatinhos? Aquele sotaque afectado? Aquilo custa dinheiro!", afirma. Comentador comenta que comentários de burros não chegam ao céu. Associação de Criação de Burros de Raça Pura responde com crítica inflamada: Burro és tu, oh burro!

E pronto. Aí têm.

publicado por Sónia às 10:37

 

1 - Em entrevista tocante, SIRESP admite falhas mas pede perdão porque errar é humano. Queixa-se da falta de apoio psicológico e ameaça emigrar caso não haja mais compreensão por parte de tudo e todos no geral. De isqueiro na mão, chorou com o nosso jornalista em entrevista que não pode perder.

2 - Classe médica recusa ser comparada a Tancos. Afirma que não é por uma granada não arrebentar que todo o arsenal esteja fora de prazo. Ameaça voltar aos tempos das sanguessugas e azeite fervido nos ouvidos. Generais tomam ofensa e afirmam voltar ao tempo das flechas e azeite fervido para deter os bandidos. Avista-se parceria?
Produtores de azeite dizem que só acreditam depois de colocada a primeira encomenda.

3 - Comunidade cigana, numa impressionante revira-volta maquiavélica, permanece calada e não comenta comentários de comentador. Afirma que o sujeito não precisa de ajuda para cagar os pés até ao pescoço e que não vão ser eles a colocar a bola em jogo para esse campeonato.

4 - Entrevista a eucaliptos e pinheiros queimados em fogo de há um mês revela que não houve fogo nenhum e que eles simplesmente não usaram creme protector. Lamentam insensatez e emitem comunicado a avisar contra os malefícios do sol em excesso para a pele. Usem protector para não ficarem como nós!, avisam os entrevistados. Leia tudo nas páginas centrais.

5 - Em comunicado emocionado, responsáveis pelo Reino d'All Garve temem o pior para o mês de Agosto e pedem que governo transfira sede do mesmo para Lagoa. Pântano por pântano, ao menos há o Slide & Splash para se ir tomando banhocas, afirmam. Comissão de inquérito já foi criada para averigiar veracidade das afirmações e pede toalhas de praia extra para desenvolver investigação no terreno.

E pronto. Aí têm.

publicado por Sónia às 10:37


1.
Os truques da imprensa portuguesa - "denunciados" os autores, de resto já conhecidos e identificados, por director-adjunto do Público em post no Facebook porque é assim que se faz jornalismo a sério neste país.
Não perca na próxima edição: Panamá Papers - quem foi que os levou para a casa-de-banho e os usou para limpar o cu? Investigadores no terreno descobrem tudo!

2.
Secretários de Estado demitem-se por arrependimento de terem feito algo que sabiam ser errado mas que apenas agora, depois de outros os exporem e perguntarem "Tão, pá?", admitem poder não ter sido boa ideia. Os nossos jornalistas-investigadores vão mais longe e perguntam: Se uma árvore cair no meio da floresta e ninguém ver, cheirar ou desconfiar sequer, será que fez barulho?
Não percam também entrevista a responsável da Galp que diz apenas ter atestado os carros dos Secretários de Estado para viagens até França e que isso é um trabalho tão nobre e digno como qualquer outro.

3.
Entrevistas a eucaliptos sobreviventes do incêndio em Pedrógão Grande revelam que estes ainda não foram contactados pela PJ e que têm dados relevantes para ajudar a decifrar o mistério do fogo. Acusam GNR e Protecção Civil de não oferecerem protecção contra novos ataques de relâmpagos/incendiários/beatas/isqueiros ou fogões a gás usados para campismo selvagem.

4.
Investigadores forenses descobrem que, se a Ministra da Administração Interna se demitir, tudo fica resolvido com os incêndios, mortes e trapalhadas gerais que ocorreram na zona Centro desde início do ano. Se receberem mais fundos de apoio, desconfiam conseguir provar que tudo ficaria resolvido desde inícios de 2016.

5.
Tancos - Chefias militares propõem mudar o nome da base militar para "Tanques" de modo a dissuadir novos roubos de equipamentos que, de resto, ainda falta saber se de facto estavam próprios para consumo. Recordam que Estado Português e as Forças Armadas podem ser processadas por posse de material defeituoso caso sejam usados e não cumpram os objectivos.

6.
Equipa de investigação no terreno destacada há já um par de anos descobre que são os golos marcados e/ou sofridos que influenciam directamente os resultados dos jogos de futebol e não necessariamente o restante chinfrim que acontece fora de campo. Jogadores apoiam e contestam ao mesmo tempo. Dirigentes não comentam mas prometem investigar para averiguar veracidade das afirmações.

7.
Equipa de jornalistas estagiários junta-se em vigília com velinhas coloridas depois de descobrirem que sector não existe ou está prestes a não existir ou nunca existiu sequer. Não sabem. São estagiários. Não têm que saber, apenas produzir. Estão confusos e com fome e ninguém os ajuda!

Pronto. I fixed it.

publicado por Sónia às 10:35

Sintam-se livres para também partilhar este pequeno texto com quem acharem melhor poder usá-lo. É só fazerem copy/paste e publicarem.

"Caro Candidato/Candidata ao emprego/trabalho que anunciámos pelo mundo fora,
Agradecemos ter tirado do seu tempo para nos fazer o favor de responder ao nosso anúncio de emprego/trabalho.

No entanto, e porque somos simpáticos, avisamos desde já do seguinte:
- Se não tiverem idade para estágio do IEFP, tirem o cavalinho da chuva. Só se vai molhar e constipar.
- Se tiverem mais de 35 anos, é mais do que óbvio que não vos vamos contratar. Têm demasiados maus hábitos como quererem um ordenado ou um horário digno. Têm opiniões devidamente fundamentadas em anos e anos de trabalho e sabemos que não aceitam a nossa caca de boi relativa aos benefícios de esforço, da dedicação, da superação e de serem tudo aquilo que nunca foram nem imaginaram ser. Sim, sabemos que convosco será muito mais difícil pagar os tais amendoins porque vocês há muito que evoluíram do estado de macaco e agora possuem a estúpida capacidade de dizer "não". "Não" não é opção para nós e achamos que deviam reconsiderar essa postura pois nem para caixa de hipermercado vos vão querer. Pensem nisso!
- Se forem gaja e tiverem filhos pequenos, esqueçam.
- Se forem gaja e ainda não têm filhos pequenos, achamos que talvez os queiram ter, portanto, esqueçam.
- Se forem Pai/Mãe solteiros/separados/divorciados, esqueçam. Bem sabemos que isso de ter filhos partilhados dá mais trabalho e ocupa mais tempo.
- Se têm qualificações, formação, habilitações e experiência que correspondem ao que pedimos, esqueçam. Isso é fasquia que colocamos porque sabemos que há sempre os totós com menos que respondem na mesma. E não, vocês não têm qualificações a mais. Nós é que não vos queremos pagar! HAHAHAHAH!

Agora, desamparem a loja que temos muito mais que fazer e ler cvs recheados de bem estruturados dá-nos dor de cabeça.

Fiquem bem e nunca parem de acreditar nos vossos sonhos! Quem sabe se um dia destes não teremos oportunidade de vos explorar até ao tutano enquanto vocês sorriem, esquecem a cara dos vossos filhos (ou perdem a ideia de os ter sequer) e pedem mais uma receita de antidepressivos ao vosso médico/médica de família? Sabem perfeitamente que é assim, que será assim, caso venha a ser, claro.
Obrigadinha e tudo de bom! Felicitações, cumprimentos e beijinhos, etc!

Director/Directora/Responsável/Manager/Leader/Chief Whatever.

publicado por Sónia às 10:18

Há uns tempos, perguntaram-me se a minha Mãe tinha uma frase, se havia algo que ela dissesse e que se soubesse que só ela diria aquilo. Algo tipo "catch phrase". Algo que fosse só dela.
Havia.
"Come que tu gostas". É dela. É ela. Foi logo do que me lembrei. É a minha Mãe chapada. Come que tu gostas.

Há outra Mãe na minha vida que, durante anos e anos, criou a sua própria frase, a sua própria marca nas conversas, o seu próprio carimbo que nos dizia, no imediato, que era ela que ali falava.
"Vamos embora". Assim. Puro e duro. Seco e directo. Estava sempre a querer ir embora. Tinha coisas para fazer, sítios para ir, um sem fim de algos a tratar. Vamos embora, vá. Vamos embora.

Foi hoje embora pela última vez.
Anos e anos a insistir em ir e o destino lá lhe fez a vontade, a derradeira e suprema cedência à sua vontade. Vamos embora? Vamos.

Esta Mãe, que o é ao meu Pai, é também minha Avó. Há uns anos, quando a soubemos em início de doença, o que eu primeiro disse foi que a Mãe do meu Pai estava doente. A Mãe do meu Pai. Antes de ser minha Avó, antes de mim, estava ele, o seu único filho. Ele e ela naquela relação que ninguém pode perturbar. Que ninguém altera, muda ou desfigura.

A minha Avó foi embora e isso doi. Muito.
A Mãe do meu Pai foi embora. E isso é infinitamente mais doloroso.

Vamos embora, 'Vó?
Vamos.

publicado por Sónia às 10:15

A recente polémica em torno dos livros de exercícios da Porto Editora parece ter ficado resolvida com a opinião e intervenção do Ricardo Araújo Pereira.
Finalmente alguém lúcido (e com piada) que soube ver a questão com olhos de ver. Adquiriu os livros, analisou-os, pensou no assunto e depois falou. E se falou. Desde as autoras até à intervenção da CIG, o caso foi analisado por diversos ângulos e a conclusão, limpinha, foi a de que os dois livros possuem dificuldades iguais, exercícios iguais e discriminações e estereótipos de género iguais, para os dois lados.
Tudo muito certo.
Só que não.
Em primeiro lugar, os livros para rapazes têm 6 exercícios de dificuldade elevada contra 3 no das meninas (pesquisem).
Em segundo lugar, dizer que não há direito a reclamar contra discriminação ou estereótipos do género feminino porque o masculino também foi alvo do mesmo tipo de discriminação é a saída fácil e inócua que nivela tudo para o fundo do mesmo poço. É o "mas eles também fizeram!" que ouvimos nos pátios das escolas quando alguma criança faz merda. A desculpa suprema é haver mais quem faça, é a coisa ir nos dois sentidos, é ela existir para todos. Invocando-se isso, tudo fica perdoado.
Não. Não. Não. Não. Não.
Isso não vale. Seja para um lado, seja para o outro.

A conversa que tem havido nos últimos dias tem levado caminhos algo profanos. Que, com esta polémica toda, querem é que as meninas façam e sejam coisas de meninos e vice-versa. Que há diferenças e que essas diferenças têm de ser reconhecidas e delineadas! (não vá a malta confundir um martelo com uma varinha mágica e estragar a obra).
Não é, nem nunca foi, essa a questão. Nem pode ser.
O que se defende, para quem o defende, é que as meninas não têm de ser descritas com rótulos que as descrevem como sendo mais estudiosas e os meninos como mais brincalhões (por exemplo). As meninas não têm de aparecer em vestidos de princesa e os meninos com roupas de pirata. As meninas não têm de ser rotuladas de mais espertas e eruditas e os meninos como mais activos. Está errado para os dois lados. Ponto.
Hoje vi alguém a reclamar de uma estatística que indicava uma percentagem maior de mulheres a concluírem o ensino superior e a proclamar que tal é discriminatório para os homens, que tal devia ser investigado para se saber de onde vem tamanho falhanço na educação universitária dos nosso jovens.
Talvez seja por aí. Enquanto que as princesas andam a ler livros e a fazer contas, os piratas andam a brincar com animais, na rua a esfolar joelhos ou a correr de um lado para o outro. Ou não pensaram nisso assim? Estudassem!
Se querem defender que afinal não há mal nenhum porque ambos são iguais e sofrem do mesmo mal, saibam que estão errados nessa premissa, nesse justificativo, nessa forma de desculpar o mau por não ser péssimo. Estão errados. Façam o que entenderem com essa informação, mas estão errados.
Existe discriminação de género em tudo, em todo o lado, para todos - masculino e feminino. Se é o feminino quem mais reclama? É. Tem mais experiência do fundo do poço. Já lhe conhece os sapos todos (mesmo que ainda haja muito quem acredite que com um beijinho virem Príncipes).
É contra isso que se deve barafustar. É contra haver mais mulheres a terminar os estudos porque os homens são educados a fazer, não a ser e pensar, por exemplo. É contra oferecerem-se livros e bonecas às crianças meninas e tractores e figuras de acção aos meninos.
É barafustar contra o sexismo que existe no mercado de trabalho que dita que os homens têm de receber mais (e em média de 30%) do que as mulheres que têm o mesmo trabalho que eles porque, afinal, eles é que são o sustento da casa.
É barafustar contra o facto de a maior parte dos tribunais de família atribuir custódia de uma criança à Mãe, mesmo que o Pai tenha mais e melhores condições que ela.
É mandar à merda tudo quanto deite abaixo, tudo quanto aniquile, tudo quanto destrua as perspectivas de uma pessoa apenas e só com base no seu género (ou raça, ou orientação sexual, ou religião... mas isso seria outro post). É recusar tudo quanto impeça uma pessoa de ser, ter e fazer aquilo que deseja e que tanto o processo como os resultados sejam justos entre si.
Portanto, Ricardo, tudo muito certo, tudo com muita piada, hahahaha, etc.
Só que não.
Estudasses.

publicado por Sónia às 09:59

Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO