“The older I grow, the more I distrust the familiar doctrine that age brings wisdom.” - H.L. Mencken

17
Fev 15

Continuava a acreditar que um dia ouviria: E depois entraste tu e tudo mudou.
Imaginava-se a entrar num sítio qualquer e a mudar o mundo de alguém. Tinha sempre muito cuidado quando entrava nos sítios. Não queria que mudasse o mundo de alguém para pior.
Também acreditava que um dia pudesse ouvir: Entrei e lá estavas tu.
Imaginava-se quieta, sossegada, a fazer algo de rotineiro, banal, sem interesse e, de repente, a sentir que algo teria mudado. Uma qualquer faísca no ar, um arrepio na nuca. Algo que assinalasse o momento em que o mundo teria mudado.
Continuava a acreditar que valia a pena acreditar, imaginar, que tudo quanto pudesse atirar ao Universo pudesse ser visto como um desejo e que, se se portasse bem, teria a sua devida recompensa.
E assim iam passando os dias, repletos de crenças, de fés inabaláveis, de uma paciência e tranquilidade nervosa que só os que realmente acreditam sentem.
Continuava a acreditar. Que mais podia fazer?

publicado por Sónia às 18:14

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
18
19
21

22
23
24
25
26
27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO